eSportsValorant

“Mesmo ganhando, nós fazemos alguma mudança na composição porque a gente sempre quer mais”, ressalta Daiki após conquista do Game Changers

Foto: Divulgação/ Gamelanders Twitter

A Gamelanders Purple foi a grande campeã do Game Changers Series Brasil. A equipe triunfou sobre a B4 Angels em uma série recheada de emoção, levando as duas equipes ao máximo no decorrer dos cinco mapas disputados.  

Após o embate, as vencedoras conversaram com os jornalistas a respeito da grande final, ressaltando tanto a união e o trabalho duro da GLP como um time, quanto às dificuldades e a admiração que tem pela maior rival.


Ana “naxy” Beatriz ressaltou a importância do laço criado com as companheiras e do trabalho realizado até o momento. “Trabalho duro é o nome desse time. Porque o tanto que esse time e essa equipe toda – eu digo de técnicos a psicólogos e analistas. A gente trabalha muito duro, joga e conversa todos os dias. E a gente criou um vínculo, uma amizade. Eu acho que não só o fortalecimento dentro do game, o fora dele é também muito importante.”

Quanto ao preparo para a série e a rivalidade com as Angels, Paola “drn” Caroline ressaltou a força das adversárias, e que apesar da larga vitória na semifinal da winner, a equipe da GLP voltou ainda mais preparada para a grande final.

“Eu passava muito mal no começo jogando contra elas pois eram muito minhas amigas. Ficava nervosa e quase nem dormia à noite. Mas quando você chega na oitava final contra o mesmo time você acaba acostumando e sabendo o que o outro time vai fazer. “

“É um time muito forte, a gente sabe disso. Nós tivemos uma semifinal contra elas, com um resultado muito largo pra gente. Nós sabíamos que aquele não era o jogo delas e viemos ainda mais preparadas para essa final. Com certeza essa rivalidade faz essas coisas da gente estudar mais, e elas a mesma coisa.”, concluiu a jogadora. 


Se tratando do domínio da Gamelanders Purple no cenário feminino e do trabalho realizado para manter o bom desempenho, Natália “daiki” Vilela revela que o maior inimigo do time é a comodidade. 

“Desde o primeiro momento em que nós tivemos essa glória de muitas vitórias, a gente não deixou de pensar no que poderíamos evoluir. Nós queremos estar sempre nessa crescente. Mesmo ganhando, nós fazemos alguma mudança na composição porque a gente sempre quer mais. A gente não aceita muito bem a frase ‘time que está ganhando não se mexe’, e eu acho que é por isso que a gente vem se dando tão bem no competitivo.”

What's your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Rafhael Pardin
Olá, sou Rafhael Pardin, natural do Espírito Santo e formado em Jornalismo pela FAESA Centro Universitário. Jogador de LoL desde 2013 e mais recentemente de Valorant. Trago a cobertura dos jogos durante os finais de semana.

You may also like

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in:eSports